Se você está começando a trilhar um caminho espiritual, provavelmente está vivendo um  misto de medo, ansiedade e curiosidade, certo? Quero começar dizendo que esses sentimentos são completamente normais, afinal, quando nos lançamos em terrenos desconhecidos, a sensação é de estar andando no escuro.

O que nem todo mundo fala é o quanto todo esse processo é individual e, consequentemente, diferente um do outro. Alguns escolhem começar pelo tarô, outros optam por ervas e há os que desejam entender melhor os conceitos de algumas religiões e filosofias. E tudo bem! 

Não existe um guia que defina o que é certo ou errado. Nessa jornada, o importante é confiar nos seus instintos, sem se basear na vivência do outro. Sabe aquela frase que sua mãe diz: “Você não é todo mundo”? Então, é exatamente assim! Se até nossos gostos alimentares são diferentes, por que nossa caminhada espiritual tem que ser igual? 

Também é importante dizer que não é necessário ter pressa. Encare esse momento como uma escola: os ensinamentos vêm à medida que você absorve profundamente um tema. A diferença é que você não precisa, necessariamente, colocar esses ensinamentos em prática. Viver a espiritualidade é algo que se aplica no dia a dia, começando por observar seus sentimentos e ações. 

Não espere por soluções mágicas ou eventos performáticos pois, no começo, é tudo muito sutil. É importante deixar claro que tudo se conecta, por isso, se você não sabe por onde começar a estudar, vá pelo que mais te agrada. Se o tema é tarô, compre um modelo simples, estude com a ajuda de livros ou conteúdos online e pratique, se sentir vontade. Com o tempo, esse conhecimento vai te abrir portas para outras possibilidades. Eu comecei assim: estudei tarô, ervas, cristais… sabe esse básico? Foi por aí! E o tempo é sábio! Ele foi me levando para novas experiências e me apresentou grandes pessoas que me ensinaram e me fizeram colocar esses aprendizados em prática. 

Não é necessário acelerar um processo tão importante. Nossa vida é um aprendizado diário: o mais bonito é a jornada, não o destino final. Para finalizar o passo que daremos, quero te pedir que vá, sem medo, atrás daquilo que seu coração pede. Confie. Não existe certo ou errado. 

Uma dica preciosa: anote em um caderno todas as suas dúvidas iniciais, seu processo pessoal, seus sonhos e medos. Que tal analisar como todas essas anotações estarão daqui a um tempo? Vamos ingressar nessa jornada, lembrando sempre de tirar o pé do acelerador e aproveitar a paisagem!