A autopercepção é um substantivo feminino que significa o ato de observar e compreender nossas próprias crenças e comportamentos. No entanto, estamos culturalmente acostumados a apontar dedos, falar e julgar os outros o tempo todo e com muita facilidade. Por esse motivo, quase nunca paramos para perceber nossas próprias atitudes. O que é muito curioso, já que nunca vamos mudar o outro, certo?

Entender nossos comportamentos e sentimentos não é uma tarefa fácil, e exige esforço e tempo, mas é um caminho que pode te libertar de muitas frustrações. É seguindo este caminho que passamos a entender mais sobre o controle.
É libertador entender que nunca vamos controlar outra pessoa, a única coisa que controlamos somos nós mesmos e nossas próprias atitudes.

Gosto de falar que a jornada da autopercepção é o momento em que mudamos a direção do holofote, pois paramos de colocar o foco no outro e começamos a colocar em nós mesmos. Muitas vezes, é um processo doloroso, porque descobrimos que muita coisa que nos incomoda no outro, na verdade incomoda porque está presente em nós também.

Descobrimos às vezes, coisas das quais não gostamos e tudo bem! É uma ótima forma de começar a mudar.
Como posso iniciar este processo? Comece tentando responder as seguintes perguntas:
1- Se você fosse uma terceira pessoa, como falaria sobre você?
2- E como você gostaria de falar sobre você?
3- Quais posturas não tem mais espaço na sua vida? O que não quer mais repetir?
4- Quais posturas você quer alcançar?

É importante focar em uma coisa de cada vez porque ninguém muda várias coisas juntas, por isso, foque no que mais te incomoda hoje e se permita ser quem decide ser. Nossa genética e nossas experiências passadas não precisam definir toda a nossa história, começar tarde é melhor do que nunca começar.

O mais brilhante disso tudo? No final das contas não importa mais o resultado, se foi o que você esperava ou se as coisas tomaram outro rumo, a sua parte você fez, sem arrependimentos, sem culpa. Quem dita as suas posturas é você e quando a gente alcança essa decisão, não é só a gente que muda, o mundo a nossa volta muda junto.

E aí? O que você sabe que precisa mudar agora?